A falta de experiência de uma empresa especializada!

Fomos, a família toda, acompanhar o pequeno para assistir o filme Uma Noite no Museu 2 com o divertido Ben Stiller. A grande sensação foi ir à região central de São Paulo para ver a reabertura do Cine Marabá em plena avenida Ipiranga. O cinema foi um dos maiores da cidade e lembro muito bem em ter assistido ali, durante minha varonil adolescência, várias películas. Depois veio o período negro do fechamento dos cinemas de rua a ascensão dos de shoppings.

Só para constar: no edifício em cima do cinema fica o Hotel Marabá, que merece ser visitado pois foi um dos últimos trabalhos da arquiteta Janete Costa, que subiu para o segundo andar em dezembro de 2008.

Bem, fomos lá e infelizmente nem tudo era como antes, a começar pela falta de estacionamentos descentes. Existem vários que ocuparam antigos pontos comerciais como restaurantes e lojas – o saudoso Museu do Disco na Conselheiro Crispiniano virou um deles – e sinceramente não inspiram nenhuma segurança, primeiro porque o espaço deles é apertado e os manobristas ficam pra lá e pra cá com os carros dos clientes. A solução encontrada foi pedir uma vaga pra Santa Terezinha* e parar na rua mesmo.

Aí começa um outro problema, típico da região central de sampa. Caminhar meia quadra até o cinema não é algo prazeroso, muita sujeira na rua, mendigos mil, lixo acumulado embaixo dos postes centenários, enfim um descaso! Bom, chegamos ao Cine Marabá! O grande lustre de cristal bem no meio do saguão, onde fica a exagerada bomboniere, de um lado os guichês e do outro a entrada. Uma verdadeira confusão. Para comprar nossos ingressos foram sete minutos, pois o atendente que além de se concentrar em dar treinamento ao seu colega, me perguntou três vezes a quantidade de ingressos que eu queria –  juro que eu respondi com calma todas as vezes!
– En-tão se-nhor, são três me-ias e du-as in-tei-ras?
– Sim!
30 segundos depois:
– En-tão se-nhor, são três me-ias e du-as in-tei-ras?
– Sim!
90 segundos depois:
– En-tão se-nhor, são três me-ias e du-as in-tei-ras?
– Sim!
Depois, na hora de pagar, faltou troco… mais demora!
Com os ingressos na mão, tivemos que atrapalhar as outras filas para tentar chegar do outro lado, entre esbarrões pipoquiais e pedidos de “com licença” e “me desculpe”, conseguimos! A simpática e educada controladora de ingressos nos indicou o caminho e subimos as escadarias para chegar na sala 5. Mais um lance e estávamos dentro da sala que tinha metade das cadeiras nas laterais pois as escadas ficam bem no meio dela. Queria saber quem projetou a reforma. Sentamos na lateral e, enquanto as luzes não se apagavam, ficamos escutando o filme na sala vizinha e, mesmo depois do nosso filme ter começado, podíamos às vezes escutar um estrondo ou outro…

Resumindo: a impressão que tive é que era a estréia da Playarte na administração de um cinema: falta de treinamento, logística impensada e projeto mal feito. C’est la vie! La vie brésilien! Ah, o filme? Meu filho de seis anos adorou! Boa semana e um feliz mês de junho para todos! 

* Ver no post Qual será o santo dos hoteleiros?

Advertisements

4 comentários

  1. Peter,

    Bom dia!

    Realmente as belezas que enchem nossos olhos, nem sempre, são bem administradas ou organizadas. O pior é que isso se repete outros serviços que usamos e inclusive em algumas da hotelaria.
    Enfim, estamos aqui para tentar identificar e corrigir.

    Parabéns! Boa semana!

    Eduardo Melo

  2. é triste esse descompromisso com a experiência do cliente.

  3. Beatriz Sauerweing

    INFELIZMENTE, ATENDIMENTOS COMO ESSE TÊM SIDO CORRIQUEIROS…TANTO NA ÁREA DE VENDA DE PRODUTOS COMO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS…

    É ASSUSTADOR, MAS ‘VALE’ PARA QUE NOS EMPENHEMOS EM FAZER AINDA MELHOR, QUALQUER COISA QUE NOS DISPUSERMOS A FAZER. SEJA NO ÂMBITO PROFISSIONAL OU PESSOAL.

    QUANTO MAIS GENTE CONSEGUIR AGIR ASSIM, MELHOR!

    ENTÃO, QUE COMECE POR MIM!

    BOA SEMANA!!!

    • Caro Peter,

      Essa sua experiencia se repete todos os dias, neste nosso Brasil tão fantástico e descuidado. Grandes investimentos são feitos sem que se invista de fato nas pessoas. A começar pelo cidadão até chegar nos profissionais mal treinados, que muitas vezes nos afastam de empreendimentos que teriam tudo para ser um sucesso. Que pena!

      Super abraço,

      Sivia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: