Dar tiro no pé é fácil, difícil é fazer o curativo!

Isso que dá ser otimista. Quando vemos algo errado ou denegrido, ficamos chateados. Dizem que é melhor é ser pessimista pois se a coisa dá errado, a expectativa foi alcançada e se der certo, ela foi ultrapassada. Nesta semana dois hoteleiros de Estados diferentes me contataram – Eduardo Camps, proprietário do Panamby, em Guarulhos e Gilles Grinberg, gerente geral do Deville Rayon, em Curitiba -, para falar do mesmo assunto: hotéis que ainda continuam reduzindo tarifas pensando que podem melhorar a ocupação.

Há quase uma década quando o boom hoteleiro ocorreu, era possível ver faixas em frentes aos hotéis com o valor de suas diárias escancaradas para o mundo. Até parece que o hóspede estaria por ali, de carro procurando um hotel.
– Olha querido, achamos! Um hotel baratinho!
– Doutor, olha só aquele hotel, vamos ficar ali?
– Cristina, por favor faça uma reserva imediatamente no hotel X, estou em frente e parece que o preço é bom!
Ora, por favor! Pensávamos como um meio de hospedagem poderia permanecer aberto praticando aqueles preços.
– É dar um tiro no próprio pé, pois com tarifas baixas não se pode investir no produto, se algo quebrar não será possível consertar, como fazer para renovar o enxoval? Como capacitar os colaboradores ou criar um plano de carreira para eles? Como manter o nível dos serviços oferecidos e, principalmente, como melhorá-los?

Depois, quando muitos hotéis fecharam, colocaram a culpa nas grandes redes.
– É, agora a cidade está cheia de hotéis novos praticando tarifas competitivas, meu amigo fechou um hotel lá na região central, não conseguiu aguentar a pressão.

Outro no bairro dos Jardins, pertinho da avenida Paulista também bateu as botas, fechou as portas. Durante vários anos nunca reformou, renovou, melhorou ou se preocupou em aprimorar o nível de seu staff, nunca quis trocar as TVs, nem a louça do banheiro, muito menos as torneiras. O queijo oferecido no café da manhã era da mesma marca havia anos, o pãozinho comprado na padaria da esquina era o mesmo. O uniforme do garçom – seu Mário – idem, foi branco um dia e já estava meio cinza, o sapatinho velho número 39 era um Vulcabrás, tadinho do seu Mário, se aposentou e está vendo o programa da Ana, de pijama, todos os dias. Ainda não entende o que aconteceu, por que o hotel teve que fechar?

Do outro lado da avenida, o Sr. Silva investiu 80% dos lucros em reformas, transformou o hotel e manteve sua equipe sempre capacitada. Trocou as janelas, portas, depois o piso, renovou os banheiros, trocou os colchões, substituiu lustres, arandelas, aparelhos de ar e TVs, comprou rádios-CDs-relógio, mudou o cardápio, trouxe uma nutricionista para fazer uma consultoria, viajou todos os dias pela internet buscando novidades e formas que outros hoteleiros operavam, ouviu muito seus hóspedes que viajavam constantemente e também contavam o que mais gostavam dos outros hotéis que conheciam nas viagens de negócios. Hoje ele está lá na cesta competitiva dos hotéis de rede e é um exemplo. Várias operadoras já sobrevoaram sobre ele querendo fincar suas bandeiras.
 
– Prefiro trabalhar sem marca mas com minhas marcas estampadas em todo o hotel. Trabalhamos em equipe, quase como uma família e estamos sempre tentando melhorar o serviço. Ao invés de trocar o carro por um do ano ou comprar casa na praia, o que acho uma estupidez enorme, preferi investir no negócio. Logo, logo poderei realizar um sonho antigo. Dar a volta no mundo e conhecer os melhores hotéis de todos os continentes! Já estou pensando na segunda unidade…

Uma pequena parcela da população utiliza a inteligência plena na tomada de decisões ou no desenvolvimento de novos negócios. Quase tudo é movimentado por impulso, inércia e o pior, copiando outros e se baseando em colocações feitas por amigos que também não entendem nada de nada… A vida não precisa ser assim, basta saber fazer a coisa certa não se importando com o que os outros pensam, aliás o pensar deve ser sempre com o coração, pois assim as intuições baseadas nos cases de sucesso são os exemplos que estão aí para qualquer um, é só googlear!

Ótima semana para todos e vamos torcer para que a reunião dos hoteleiros em Salvador seja um sucesso! Fui….

Em tempo: o acidente com o Felipe ontem em razão de um desprendimento de uma peça do carro do Rubinho e o outro ocorrido no dia 19 que matou o piloto da F2, Henry Surtees, depois que a roda de um outro carro bateu em sua cabeça, são um alerta para que as estruturas dos capacetes sejam repensadas e por que não proteger os pilotos com uma bolha plástica sobre os cockpits?

Advertisements

2 comentários

  1. Excelente texto… Lendo, vi várias falas de meus professores. A renovação tem que existir sempre, assim como a busca por novidades, e o seu texto abre os olhos para coisas essênciais… Tenho o mesmo pensamento, especialmente ao que diz respeito em fazer as coisas sem se preocupar com o que os outros pensam…Às vezes agir por intuição (e razão ao mesmo tempo) é um modo de viver, e ter sucesso! Beijos. Sheila

  2. Mais uma grande verdade escrita neste blog!
    Parabéns!!!
    Os hoteleiros devem investir parte de seus ganhos e manter seus hoteis em plenas condições de concorrência.
    O que os outros vão pensar…realmente não importa, mas, tenham certeza que os outros pensaram deseperadamente quando perderem mercado.

    Abraços,

    Eduardo Melo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: